Sistema Circulatório Humano – Anatomia do Aparelho Cardiovascular

sistema circulatório

O Sistema Circulatório (cardiovascular)  humano possui como composição central o sangue. O sistema cardiovascular consiste no sangue, no Coração e nos Vasos Sanguíneos. Ao sangue, líquido que circula em nossas artérias e veias cabe nada menos de quatro funções:

1) recolher, nos alvéolos pulmonares e nas vilosidades intestinais, o oxigênio e demais alimentos de que necessitamos, e distribuí-los às células;

2) receber, destas mesmas células, as substâncias de desassimilação por elas expelidas, e levá-las a órgãos especiais (pulmão, rins, etc.), que se encarregam de eliminá-las;

3) estabelecer relações entre as várias partes do organismo, distribuindo por elas os produtos das glândulas de secreção interna;

4) auxiliar o equilíbrio da temperatura, e do conteúdo em água, no organismo;

5) contribuir para a defesa deste último.

O sangue apresenta-se como um líquido vermelho, variando de tonalidade segundo o vaso de que provém; escuro, se de veia, vermelho vivo, se de artéria, dependendo, a diferença, do grau de oxigenação. Viscoso, um pouco mais denso que a água (1,060).

A quantidade total do sangue, aliás variável por múltiplas circunstâncias, regula, segundo Bischoff, que a mediu em dois criminosos guilhotinados, 1/13 do peso do indivíduo: 5 litros, portanto, para quem pese 65 quilos. Os órgãos que mais sangue têm, além do coração e dos grandes vasos, são o fígado, os músculos e os pulmões.

Estrutura do sangue

sangue

O sangue, base de todo o Sistema Circulatório, é composto de uma parte liquida, o plasma, tendo em suspensão inúmeros corpúsculos microscópicos, os glóbulos sanguíneos, de que há três espécies: os glóbulos vermelhos, os glóbulos brancos e as plaquetas. Existem ainda no sangue, dissolvidos ou combinados, três gases, o oxigênio, o azoto e o anidrido carbônico.


pH do sangue

Ao londo do Sistema Circulatório, o pH do sangue oscila entre 7,35 e 7,45, — indicando, portanto, reação levemente alcalina, a qual é praticamente constante. De que modo se conserva constante o pH do sangue, apesar da incessante produção de ácidos pelo organismo, e da ingestão cotidiana de alimentos tais como o ovo, a carne, o peixe, que aumentam a acidez ?

Mantém-se essa constância graças à existência, no organismo, da chamada “reserva alcalina”, constituída por grande quantidade de compostos (bicarbonatos, fosfatos), que são prontamente mobilizados sempre que a acidez tende a predominar. Colabora também para o mesmo fim a função excretora exercida pelos rins, pulmões e pele.

Glóbulos vermelhos

Os glóbulos vermelhos, hemácias ou eritrócitos, são os mais numerosos do sangue, pois existem na proporção de 5 milhões por milímetro cúbico de líquido. Na mulher esse número é de 4 milhões e 500 mil, ao passo que alcança no recém-nascido 5 milhões e 600 mil.

Têm os glóbulos vermelhos a forma de pequeninos discos, escavados no centro. São perfeitamente elásticos, podendo de-formar-se transitoriamente, para passar nos mais finos capilares. Medem, no sangue circulante, pouco mais de 8 mícrons de diâmetro, e, quando fixados nas preparações, 7 mícrons.

A superfície total das hemácias de um homem de 70 quilos é avaliada em cerca de 3.000 metros quadrados, ou 1.500 vezes mais que a superfície do próprio corpo. Extensão assim tão grande facilita o intercâmbio gasoso entre os glóbulos e o plasma.

Abaixo apresentamos as divisões teóricas do Sistema Circulatório: Pequena e Grande Circulação.

Pequena circulação

Por comodidade didática do estudo do Sistema Circulatório, é costume considerar-se uma grande e uma pequena circulação sanguínea.

cavidades do coraçao

A pequena circulação, entre o coração e os pulmões, tem por fim arterializar. o sangue. Inicia-se no ventrículo direito, de onde sai sangue venoso, pela artéria pulmonar; a artéria pulmonar logo se bifurca, mandando um ramo para cada pulmão, onde se dá a capilarização dos vasos.

Os capilares, depois de se haverem espalhado pelos pulmões, em contacto íntimo com as paredes alveolares, se reúnem aos poucos, formam vasos cada vez maiores, e terminam por quatro veias pulmonares, que vão desembocar na aurícula esquerda.

O sangue que foi do ventrículo direito para os pulmões era venoso; o que veio dos pulmões para a aurícula esquerda é arterial.

Grande circulação

grande-circulação

A grande circulação sanguínea tem por fim levar sangue arterial aos vários órgãos, e, depois, recolher o sangue venoso ao coração. Começa no ventrículo esquerdo, cujo sangue sai pela artéria aorta, distribui-se em todo o corpo, órgão por órgão, por meio dos inúmeros ramos do tronco aórtico.

Depois de haver banhado os tecidos, regressa o sangue ao coração, pelas veias que desembocam na aurícula direita. Se, agora, considerarmos como ponto de partida os pulmões, podemos dizer que desses órgãos sai sangue arterializado, o qual se distribui pelos tecidos; e que dos tecidos o sangue, agora venoso, volta aos pulmões.

Vasos da grande circulação

A grande circulação sanguínea começa no ventrículo esquerdo, pela artéria aorta, cujos ramos se distribuem por todo o organismo. A artéria aorta tem, a princípio, trajeto ascendente; descreve, depois, uma curva chamada crossa da aorta, torna-se descendente, passa por detrás do coração, ao longo do esôfago; percorre, de cima para baixo, a cavidade torácica, atravessa o diafragma.  Saiba mais sobre a PEQUENA E GRANDE CIRCULAÇÃO

Principais veias do sistema circulatório

veias do sistema circulatorio

Citemos apenas os principais troncos.

Veia cava superior

A veia cava superior recolhe à aurícula direita o sangue que alimentou a cabeça e os membros superiores. É formada pela confluência dos dois troncos venosos brdquio-cefálicos, o direito e o esquerdo. Cada tronco venoso braquio-cefálico é formado de duas veias:

  1. a subclávia, que recolhe o sangue do membro superior;
  2. a jugular interna, portadora do sangue da cabeça.

Veia cava inferior

A veia cava inferior recolhe ao coração o sangue proveniente dos membros inferiores e do tronco. Origina-se da confluência das duas ilíacas primitivas. Cada ilíaca primitiva, por sua vez, é formada pela veia ilíaca interna ou hipogástrica (vinda da bacia) e pela veia ilíaca externa  (proveniente do membro inferior).

No seu trajeto ascendente, a veia cava inferior, que percorre a cavidade abdominal e a torácica, vai recebendo muitos afluentes, tendo como os principais as veias as veias renais (vindas dos rins) e as veias supra-hepáticas (oriundas do fígado). Avolumada por todos esses afluentes, a veia cava inferior desemboca na aurícula direita.

Circulação porta

veia porta - circulatoria

A veia porta é uma das mais importantes do Sistema Circulatório. Vamos resumidamente mostrar o seu modo de origem e distribuição. Nasce a veia porta pela confluência de três veias:

a) veia esplênica, proveniente do baço, do pâncreas e do estômago;

b) veia mesentérica inferior (ou pequena mesaraica) proveniente do intestino grosso;

c) veia mesentérica superior (grande mesaraica), vinda do intestino delgado e de parte do intestino grosso. Reunidas as três veias formam-se o tronco da veia porta, que se dirige para o fígado, onde penetra pelo hilo, na face inferior. No fígado, a veia porta se resolve em inúmeros.

Saiba mais:

Estrutura dos vasos sanguíneos

Chamam-se artérias os vasos que levam sangue do coração para os outros órgãos ao londo do Sistema Circulatório. Chamam-se veias os que, dos outros órgãos, trazem sangue ao coração.

Na grande circulação sanguínea, entre o coração e os órgãos, as artérias conduzem sangue arterial, e as veias, sangue venoso; mas, na pequena circulação sanguínea, entre o coração e os pulmões, dá-se o contrário: as artérias conduzem sangue venoso, as veias sangue arterial.

Não é, pois, a natureza do sangue conduzido, mas o sentido da condução em relação ao coração, que distingue as artérias das veias. Demais, como depois se verá, há entre elas, também, diferenças de estruturas.

Artérias

As paredes das artérias compõem-se essencialmente de três túnicas:

  1. túnica interna, endotelial, de uma camada única de células endoteliais muito achatadas:
  2. túnica média, formada de fibras musculares lisas;
  3. túnica externa, ou adventícia, de fibras conjuntivas, dispostas principalmente no sentido longitudinal.

Veias

As paredes das veias só apresentam duas túnicas:

  1. túnica interna, de células achatadas;
  2. túnica externa, com elementos musculares, elementos elásticos e elementos conjuntivos. Válvulas venosas. — No interior das veias dos membros inferiores e superiores, existem pequenas válvulas, denominadas válvulas venosas, que distribuem por todo o vaso o peso da coluna líquida, a qual, sem elas, descansaria inteira sobre a parte inferior da veia.

Estrutura dos capilares

Chamam-se capilares as terminações das artérias e o início das veias. São vasos finíssimos, cujo calibre está entre 5 mícrons (capilares dos centros cerebrais e retina) e 25 mícrons (capilares dos ossos). Na formação de suas paredes, entram especialmente células epiteliais, dispostas de maneira a construir um tubo, sobre o qual se estendem alguns elementos conjuntivos, que formam uma espécie de membrana adventícia rudimentar.

Nas paredes dos capilares, notam-se, muitas vezes, orifícios ou estornas, que, segundo pensam os autores, são aberturas praticadas pelos glóbulos brancos do sangue, para se evadirem dos condutos circulatórios. Através das paredes dos capilares, fazem-se as trocas de alimentos e materiais de desassimilação entre o sangue e a linfa.

Coração

O coração é o órgão central do Sistema Circulatório, por isso criamos um artigo especial sobre ele:

Assim finalizamos nosso estudo sobre o Sistema Circulatório.

Vídeo sobre o Sistema Circulatório

Saiba mais sobre o CORPO HUMANO




Outros Conteúdos:

Emagrecer de Forma Saudável é Possível?

Aprenda os Segredos da Maquiagem Perfeita

RENDA EXTRA nas Horas Vagas (Livro Grátis)