Músculos do Tronco: Trapézio, Coluna e Dorso – Anatomia

Os músculos do tronco são fundamentais no dia-a-dia. Sentar na cama, levantar de uma cadeira, amarrar os cordões dos sapatos são ações repetidas inúmeras vezes, sem maiores dificuldades. E mais ainda: o movimento de encostar a ponta dos dedos nos artelhos, sem dobrar as pernas – exercício físico muito comum -, pode ser executado, com um pouco de treino, por qualquer pessoa. Daí pensar-se erroneamente que é mais fácil dobrar a espinha (coluna vertebral) para diante do que para trás.

Ocorre, porém, que ao amarrar os cordões dos sapatos, a maioria das pessoas dobra os joelhos. Também o ato de levantar da cama ou da cadeira é facilitado pela flexão das pernas. E tocar a ponta dos pés com os dedos, mantendo a perna esticada, exige muito pouca participação da espinha- Dá-se apenas a rotação da bacia em torno das cabeças dos fêmures; a coluna vertebral mantém-se praticamente reta. Por outro lado, o movimento de dobrar a espinha para trás é possibilitado apenas pela grande flexibilidade da porção lombar da coluna vertebral.

Além disso, os outros segmentos móveis da coluna também se curvam para trás. E só as vértebras do pescoço permitem amplos movimentos de flexão para a frente. Mas, embora seja mais fácil dobrar a coluna para trás, isso só é possível mediante treino seguido, que promova o desenvolvimento adequado dos músculos que flexionam a coluna nesse sentido (músculos extensores da coluna) e que aumente a elasticidade dos ligamentos que unem as vértebras.

musculos-tronco

Músculos da Coluna Vertebral

Alguns músculos do tronco desempenham papel fundamental na estática da coluna (esplênio. eretor da espinha) e, portanto, na manutenção da postura em pé. Num esqueleto montado, em exposição, as vértebras não desmoronam porque são amarradas com arames, mas no corpo humano isso não acontece, evidentemente.

Há, em verdade, todo um trabalho arquitetônico perfeito: as vértebras são mantidas em suas posições por numerosos ligamentos elásticos e fibrosos que se prendem em diversos pontos de cada uma delas. Músculos pequenos, mas potentes, ligam vértebras vizinhas, colaboram na sua sustentação e ainda promovem movimentos localizados da espinha. Os grandes movimentos para a frente, para os lados e para trás são resultantes da ação conjunta desses músculos.

Os Músculos da coluna vertebral. Inserem-se nas vértebras e nas costelas, formando, ao longo de toda a espinha, uma resistente massa muscular que sustenta esse arcabouço ósseo do corpo humano. Além disso, os movimentos da coluna para a frente, para os lados e para trás são resultantes da ação conjunta dessas músculos.

musculos-dorço

Músculos do Dorso

Na evolução da espécie, quando o homem assumiu a posição ereta, vários músculos que serviam para manter os membros superiores apoiados no chão perderam sua importância. Destituídos de função, esses músculos emigraram para o dorso e passaram a revestir os músculos mais profundos das costas. Conservaram-se, porém, ligados aos movimentos do ombro e do braço.

Trapézio

musculo-trapezio

O mais importante deles é o chamado trapézio, denominação originada da sua forma. Dispõe-se como um capuz de monge e por esse motivo era conhecido antigamente como músculo cucullaris (do latim cucuilus, capa). É responsável pelo movimento conhecido popularmente como “dar de ombros”, em que o trapézio eleva a omoplata (ou escápula) e, com ela, todo o ombro. O músculo elevador da escápula também participa desse movimento.

Contudo, a ação mais importante desses e de outros músculos do mesmo grupo (romboides) é promover a rotação da omoplata para permitir a elevação dos braços. São também responsáveis pela descida controlada e gradual dos braços levantados; nessa função atuam, portanto, como músculos antigravitacionais.

Dorso Maior

Outro importante músculo que emigrou para o dorso é o dorsal maior, que força a descida do braço contra uma resistência. Quando esta é muito grande, o músculo promove a elevação do corpo. O dorsal maior atua ainda no movimento de expiração, provocando a compressão da parte posterior do abdome.

imagem: NETTER, Frank H. / meuslindosepagos.com




Recomendamos: