Bulbo Raquidiano – Sistema Nervoso – Anatomia

O bulbo raquidiano (medula alongada), situado na cavidade craniana, logo acima da medula espinhal, é um dos elementos mais importantes do sistema nervoso central.

Morfologia do Bulbo

Limitado superiormente pela protuberância anular, e, inferiormente, pela medula, o bulbo tem mais ou menos a forma de um tronco de cone, de base voltada para cima. Seu comprimento é de cerca de três centímetros. Deitado sobre a goteira basilar do occipital, forma ele com a medula um ângulo obtuso.

Na face anterior do bulbo, vê-se um sulco mediano, que se inicia, em cima, por uma fosseta, o buraco cego, e que divide a face anterior em dois volumosos cordões, chamados pirâmides anteriores do bulbo. Na face posterior, se olharmos a sua metade inferior, vemos que há também um sulco mediano dividindo-a em dois cordões posteriores.

Os dois cordões, porém, a principio verticalmente ascendentes, se tornam depois divergentes, e delimitam um espaço angular, aberto para cima. Esse espaço, digamo-lo desde já, reunido a outro espaço análogo, da protuberância, aberto para baixo, forma um losango denominado quarto ventrículo, região de grande importância fisiológica. Lateralmente, o bulbo mostra uma saliência ovalar, a oliva bulbar.

sistema nervosobulbo raquidiano
O bulbo é constituído de substância branca e substância cinzenta. A substância branca, formada, como na medula, de fibras nervosas, se dispõe em feixes longitudinais. Os feixes anteriores são motores; os posteriores, sensitivos.

Nos feixes anteriores, ou pirâmides bulbares, há duas partes: uma é constituída por fibras que, ao passarem do bulbo para a medula, se cruzam totalmente, indo do formar, neste último órgão, o feixe piramidal cruzado; outra é a de fibras que não se cruzam no momento da passagem para a medula; mas, neste órgão, onde constituem o feixe piramidal direto, vão passando, aos poucos, para o lado oposto, em diferentes alturas. Deste modo, as fibras motoras de cada lado do bulbo acabam todas, na medula, por situar-se do lado oposto.

Funções do bulbo no sistema nervoso

O bulbo desempenha, como a medula, duas ordens de funções: condução da corrente nervosa e centro nervoso. Como condutor nervoso, o bulbo leva, pelas fibras posteriores, a corrente ascendente, ou sensitiva, à protuberância, e, por intermédio desta, ao cérebro; e, pelas fibras anteriores, a corrente descendente, ou motora, vinda do cérebro, para a medula.

O bulbo desempenha, pois, o papel de intermediário entre os centros superiores (cérebro e protuberância) e o centro inferior (medula). Por ele passam ainda fibras ascendentes e descendentes que põem a medula em relação com o cerebelo. Como centro nervoso, o bulbo é de importância capital. Nenhuma porção do sistema nervoso é tão indispensável à vida como ele. Privado dos segmentos superiores do encéfalo, mas possuindo ainda o bulbo, o animal pode sobreviver longo tempo. Privado do bulbo, morre imediatamente.




Outros Conteúdos:

Emagrecer de Forma Saudável é Possível?

Aprenda os Segredos da Maquiagem Perfeita

RENDA EXTRA nas Horas Vagas (Livro Grátis)