Sistema Endócrino e Glândulas Endócrinas: Função, Fisiologia, Anatomia (Resumo)


sistema endocrino

Sistema endócrino é um conjunto de glândulas que possuem como ação a produção dos hormônios. Abaixo analisamos as principais partes do sistema endócrino.

Fisiologia: Função do Sistema endócrino

O sistema endócrino tem importante função para o corpo humano. As glândulas endócrinas secretam os hormônios que cuidam da regulação e controle das funções do corpo.

Resumo do Sistema Endócrino e Glândulas Endócrinas

Para facilitar o estudo, iremos dividir o estudo do sistema endócrino em 6 partes:

  1. Tireoide
  2. Paratiroides
  3. Cápsulas suprarrenais
  4. Hipófise
  5. Pâncreas
  6. Glândulas sexuais

 



1 – Tireoide

tiroide

A Tireoide (ou tiroide) é o elemento mais importante do sistema endócrino, está situada na parte superior e anterior do pescoço, aos lados da traqueia, vizinha da cartilagem tiroide. Consiste em dois lobos ovais ligados entre si por um istmo, ficando o órgão com a aparência de um H. A largura da tiroide é de 6 a 7 centímetros; a altura, de 3 centímetros, sendo o seu volume, em conjunto, um pouco maior na mulher que no homem.

Envolvida por uma cápsula conjuntiva, a tiroide está constituída pela reunião de pequeninas vesículas, atapetadas por uma camada de células epiteliais prismáticas. O conteúdo de cada vesícula é uma substância amorfa, amarelada, mole e transparente, a substância coloide, que encerra o hormônio da glândula, a tiroidina, particularmente rica em iodo.





2 – Paratiroides

Paratiroides

Partes importantes do sistema endócrino, as paratiroides são quatro (ou mais) pequeninas glândulas endócrinas, duas de cada lado da tiroide, com a qual muitas vezes se fundem. Cabe ao respectiva hormônio regular a concentração do cálcio no sangue. Sendo a secreção insuficiente, o cálcio diminui, e desde logo aparece, como fenômeno capital, a tetania, manifestada por contrações fibrilares dos músculos, tremor geral e espasmos.

Problema comum do sistema endócrino,O excesso do hormônio paratireoidiano (injetado experimentalmente em animais) aumenta o cálcio do sangue e, se muito grande, determina várias perturbações, como debilidade, vômito, etc., podendo acarretar a morte.

 



3 – Cápsulas suprarrenais

sistema endocrino

As cápsulas suprarrenais também fazem parte do sistema endócrino humano. Em número de duas, uma à direita e outra à esquerda, as cápsulas suprarrenais se encontram na cavidade abdominal, sobre os rins, com os quais mantêm apenas relações de vizinhança, sem nenhuma dependência funcional. Cada glândula, de 3 centímetros de altura e 2 e meio de largura, pesa de 5 a 6 gramas. São amarelas; sua forma tem sido comparada à de uma volumosa vírgula deitada.

Estão envolvidas por uma membrana conjuntiva, e o seu tecido se divide em duas partes: 1) uma porção periférica, ou substância cortical, amarela, representando cerca de dois terços do órgão; 2) uma porção central, a substância medular, muito menor.

Em várias regiões do organismo, no próprio abdômen, se encontram com frequência suprarrenais acessórias, de dimensões pequenas. No animal, a ablação de ambas as glândulas produz fatalmente a morte, em poucos dias.

A destruição das duas medulas, conservada, porém, uma boa parte da zona cortical, é compatível com a vida, e parece mesmo não influenciar as funções do animal. O córtex, pois, é essencial à vida, ao passo que a medula aparentemente não é.

4 – Hipófise

hipofise

 

A Hipófise, também conhecida como glândula pituitária, é uma pequena glândula do sistema endócrino humano que é do tamanho de um feijão controlada pelo controlada hipotálamo, responsável pela secreção dos hormônios do corpo. Esta pequena glândula também é conhecida como “glândula mestra”, pois secreta hormônios que controlam o funcionamento de outras glândulas.

5 – Pâncreas

Pancreas

Encontram-se, disseminados no tecido pancreático, pequeninos corpúsculos arredondados ou ovalares, as ilhotas de Langerhans, de 100 a 200 mícrons de diâmetro, e representando, em conjunto, cerca da centésima parte da massa total do órgão.



As ilhotas de Langerhans são glândulas de secreção interna e fabricam um hormônio denominado insulina.

Os trabalhos experimentais e a observação clínica mostram que a insulina, no sangue, determina acréscimo na oxidação do açúcar, e ao mesmo tempo facilita a síntese deste em glicogênio.

Quando a secreção escasseia, ou desaparece, uma doença grave se manifesta, a diabete, em que o açúcar se acumula no sangue e é eliminado pela urina.

 

6 – Glândulas sexuais

Muito embora algumas pessoas não classifiquem como parte do sistema endócrino humano, as glândulas sexuais — ovário e testículo — além de fabricarem as células reprodutoras respectivas, ainda segregam hormônios de grande importância.

Privados delas desde novos, os animais não se desenvolvem normalmente, pois não aparecem os atributos morfológicos e funcionais secundários, próprios de cada sexo. Aves ou mamíferos, nesse caso, dão um tipo neutro, que, para aquelas, se aproxima do tipo masculino, e, para estes, se assemelha ao tipo feminino.

Os efeitos da ablação não se manifestam quando, antes dela, o animal recebe, em qualquer região do corpo, enxerto de glândula idêntica à que se lhe vai tirar.

No homem, observam-se resultados análogos: a característica distribuição de pelos cutâneos não se dá; a barba não vem; a laringe não aumenta na puberdade, permanecendo a voz com tonalidade infantil.Demais, os membros inferiores crescem em excesso, a atividade mental se mostra preguiçosa. Quanto ao sexo feminino, as observações a respeito são menos precisas.

O hormônio masculino provém das células intersticiais (ou células de Leydig), distribuídas por grupos isolados no interior da glândula. Já o hormônio feminino é produzido pelos elementos epiteliais que constituem o córtex do ovário.